01/07/2019
Juiz critica ‘censura’ para magistrados nas redes sociais


“As redes sociais causam impactos em todos os setores e o Judiciário não está sabendo acompanhar esses avanços e, infelizmente, a tentativa de impor censura aos juízes comprova essa falta de sintonia de como lidar com o novo”. A declaração é do juiz da Vara de Entorpecentes de Campina Grande, Edivan Rodrigues, que também é 2º vice-presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), ao comentar a proposta de regulamentação do uso das redes sociais por magistrados que está sendo discutida no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 
A proposta entrou na pauta do CNJ na semana passada e estabelece, entre outras coisas, a proibição para que magistrados não adiantem o teor de decisões judiciais ou atendam a pedidos de partes, advogados ou interessados por meio de plataformas digitais e aplicativos. Os juízes ficariam proibidos, ainda, de publicar conteúdos que “busquem autopromoção ou evidenciem superexposição, populismo judiciário ou anseio de corresponder à opinião pública” – assim como de publicarem críticas a decisões e processos de colegas.
 
O tema é polêmico e surge após a divulgação de diálogos onde, supostamente, o ex-juiz Sérgio Moro teria utilizado aplicativos de mensagens para ‘elaborar’ estratégias de atuação durante a Operação Lava Jato, junto a procuradores do MPF. Dos 15 conselheiros do CNJ, dois votaram favoráveis à medida.
 
“A premissa fundamental é a de que o juiz não é um cidadão comum”, argumentou o conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga, coordenador do grupo de trabalho do CNJ. O projeto destaca que as manifestações dos juízes nas redes podem afetar a credibilidade, a legitimidade e a respeitabilidade da Justiça.
 
Conservadorismo
 
Para o vice-presidente da AMPB, Edivan Rodrigues, “o Judiciário é por excelência um Poder conservador, resistente à modernidade. Lembro que da passagem da máquina de datilografia para o computador, um tribunal anulou uma sentença por ter sido impressa e não datilografada como determinava a lei a época”.
 
Ele também defendeu que “nenhuma pessoa perde sua liberdade de expressão ao assumir o cargo de juiz. Ao contrário do que se pensa, é muito importante que a sociedade conheça o pensamento e as posturas dos seus juízes”.
 
Blog Pleno Poder - Jornal da Paraíba

Mais Notícias



Convênios
Ver todos
Plano UNIMED
Formulários de adesão e exclusão.

Receba as novidades da AMPB



Atualize seu cadastro


AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58030-520.

Fone/Fax: (83) 3513-2001

Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253




© 2019. Todos os Direitos Reservados. AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58013-520.
Fone/Fax: (83) 3513-2001
Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253