30/10/2018
O que é priorização do primeiro grau


A juíza Maria Aparecida Sarmento Gadelha, em mais um artigo de sua autoria, trata sobre a questão da priorização do primeiro grau de jurisdição. Ela indica que, na Paraíba, "um modelo de gestão desconectado das carências do primeiro grau ainda resiste a mudanças determinadas pelo CNJ, já que, embora no primeiro grau tramitem 89% dos processos da Justiça Estadual paraibana, a destinação de recursos financeiros para pagamento de cargos comissionados atinge o mísero percentual de 24% por cento, prejudicando nitidamente o bom andamento dos processos que ali tramitam. Já o segundo grau – Tribunal de Justiça –, conquanto esteja responsável por apenas 11% dos processos em tramitação, permanece com 76% dos investimentos feitos na força de trabalho ocupada por cargos comissionados". 
 
Leia abaixo o texto na íntegra:
 
O que é priorização do primeiro grau
 
Conversemos mais sobre a Justiça e sobre o Poder Judiciário. Entretanto, para que tenhamos bons e construtivos frutos, busquemos fazê-lo por meio de debate honesto e qualificado, despido de paixões, direcionado a apresentar a problemática já com os olhos voltados para soluções concretas ou ações que minimizem os maiores entraves que impedem a melhoria da prestação jurisdicional. 
 
Há longas datas, o Conselho Nacional de Justiça – CNJ, a quem compete o controle da atuação administrativa e financeira do Poder Judiciário, vem emitindo atos normativos e recomendações, com a finalidade de uniformizar procedimentos voltados à concretização de uma prestação jurisdicional eficiente, efetiva e célere. 
 
Concluiu que, como na primeira instância (comarcas, varas e cartórios unificados) tramitam aproximadamente 90% (noventa por cento) de todos os processos em curso, essa elevada carga de trabalho e a má distribuição de recursos são as principais causas da morosidade da Justiça. A solução, portanto, é priorizar a atenção para o grau de jurisdição mais congestionado. 
 
Funciona, em linhas gerais, assim: o grau de jurisdição para o qual foram distribuídos, proporcionalmente, mais casos novos nos últimos três anos, deve manter a mesma proporção de servidores e de destinação de recursos gastos com cargos comissionados e funções de confiança. 
 
Nada mais coerente e cristalino. O equilíbrio da força de trabalho de acordo com a demanda vem a minimizar os graves gargalos encontrados nas unidades judiciárias do primeiro grau, decorrentes da falta de servidores e assessores, bem ainda o excesso de recursos humanos hoje existente no segundo grau – Tribunal de Justiça.
 
Entretanto, na Paraíba, um modelo de gestão desconectado das carências do primeiro grau ainda resiste a mudanças determinadas pelo CNJ, já que, embora no primeiro grau tramitem 89% dos processos da Justiça Estadual paraibana, a destinação de recursos financeiros para pagamento de cargos comissionados atinge o mísero percentual de 24% por cento, prejudicando nitidamente o bom andamento dos processos que ali tramitam. Já o segundo grau – Tribunal de Justiça –, conquanto esteja responsável por apenas 11% dos processos em tramitação, permanece com 76% dos investimentos feitos na força de trabalho ocupada por cargos comissionados. 
 
Quem precisa de mais, no Poder Judiciário da Paraíba, recebe menos. É essa realidade que precisa ser continuamente combatida para que o seu processo, cidadão, seja decidido mais rapidamente.
 

Mais Notícias



Convênios
Ver todos
Plano UNIMED
Formulários de adesão e exclusão.

Receba as novidades da AMPB



Atualize seu cadastro


AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58030-520.

Fone/Fax: (83) 3513-2001

Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253




© 2018. Todos os Direitos Reservados. AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58013-520.
Fone/Fax: (83) 3513-2001
Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253