29/11/2017
Tá todo mundo errado?


Já faz um tempinho que o debate em torno do duodécimo dos poderes, previsto para o orçamento de 2018, rende na Paraíba.
 
A queixa, judicializada e já tramitando no STF, é generalizada. Os poderes repetem a reclamação de anos anteriores: o cálculo feito pelo Executivo atropela direitos aos valores devidos a serem repassados.
 
No acúmulo e penitência de quase cinco anos, as instituições dessa vez resolveram questionar o Governo e se insurgir contra o que consideram represamento de recursos.
 
O Governo rebate argumentos e se vale de um discurso fácil e confortável de sustentar na opinião pública.
 
Mais ou menos assim. Os poderes já são privilegiados demais, devem cortar na carne, se adequar a crise e, já que estes dão ‘pouco retorno’ à sociedade, deixar folgas para o Executivo realizar ações e obras.
 
É como se somente o Executivo prestasse serviço e necessitasse de verba. Ou como se somente no Executivo não houvesse gorduras e nem privilégios a cortar.
 
Ou como se no TJ, MP, TCE, Defensoria, e outros, todo mundo ficasse lá de braços cruzados arrotando regalias e sem nenhuma demanda social para atender.
 
Há, obviamente, excessos em todos os quadrantes da administração pública. E quanto mais se tem dinheiro, maior a tendência de se gastar mal ou fora das prioridades.
 
Ainda que existam os desajustes suscitados, essa regulação não cabe ao Executivo. É dever da sociedade e dos órgãos de controle. Ao Executivo cabe o repasse devido e operar o seu orçamento conforme as suas prioridades. Mesmo direito têm os outro entes.
 
Então, nem tanto ao mar e nem tanto a terra. Nas suas peculiariedades, os demais poderes também têm sua contribuição e obrigações para com o público.
 
Não basta para o nosso sistema um Poder funcionar bem. Esse desequilíbrio gera uma distorção e deformação social que termina atingindo à cidadania.
 
Tanto que estamos a assistir um Tribunal de Justiça fechando comarcas e um Ministério Público funcionando a duras penas, sem pessoal, por falta de lastro financeiro para contratar.
 
Será que é aceitável consentir que todos os órgãos, sem exceção, estão errados e só, e apenas, o Governo está com toda a razão?
 
Está na hora de o bom senso bater a porta do entendimento.
www.heroncid.com.br

Mais Notícias



Plano UNIMED
Formulários de adesão e exclusão.

Receba as novidades da AMPB



Atualize seu cadastro


AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58030-520.

Fone/Fax: (83) 3513-2001

Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253




AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba -

Av. João Machado, Nº 553, Centro, Empresarial Plaza Center, 3º andar, Sala 307, João Pessoa - PB, CEP: 58013-520.
Fone/Fax: (83) 3513-2001
Jornalista Responsável: Jaqueline Medeiros - DRT-PB 1253